Se vocês nos seguem, o nome Raquel Caldevilla não vos é estranho. Ela é um dos membros mais antigos da família We Blog You. Fez parte do primeiro workshop de sempre, criou o seu blog, apaixonou-se por ele, rodeou-se de coisas bonitas e agora, com um livro a caminho, espalha as suas palavras inspiradoras por este mundo fora. Nós acreditamos que os nossos sucessos são o resultado do que nos rodeia, por isso quisemos ver o que rodeia a Raquel.

1. Conta-nos, como começa e acaba um dos teus dias nesta casa bonita?
Começo o dia a tomar um bom pequeno-almoço na mesa da sala, enquanto leio os meus blogs favoritos e me organizo mentalmente sobre o que fazer durante as próximas horas. Depois, o dia desenvolve-se e costuma culminar no mimo do maridão e da Badu, no quentinho e no conforto do sofá, enquanto vemos qualquer coisa que esteja a dar na televisão, simples e leve para libertar as ideias.

2. Na tua casa, e na tua vida, gostas de estar rodeada de coisas especiais. Fala-nos um bocadinho sobre elas.
A minha casa é como a minha vida, com coisas especiais que fui adquirindo ao longo dos tempos. Apesar de ser um pouco desarrumada, encontro-me sempre no meio da desorganização, porque vivo ao detalhe cada aspecto que me envolve e tudo me inspira. Tenho um carinho especial por peças com história, tanto herdadas pelo meu Pedro (a casa era dele antes de vir morar para cá), como noutras que fui trazendo ou que fomos comprando em conjunto. Confesso que procuro sempre o conforto, já que, no final das contas, sou eu que passo mais tempo em casa e tenho de me sentir tranquila e aconchegada. É esse o factor principal na minha vida, tanto no trabalho como no descanso, e procuro que a minha casa seja o porto de abrigo.



3. Pelo que percebemos o teu espaço de trabalho em casa é o mesmo de lazer, como consegues fazer as duas coisas aqui e quais são os truques que usas para que o trabalho não seja deixado de lado?
Estou a passar uma época em que tento contrariar as distracções e a desorganização, como maneira de me concentrar naquilo que é realmente importante para trabalhar. Assim, tenciono sair da mesa da sala que tem sido o meu local de trabalho e arranjar um local próprio para isso, para não confundir os dois espaços e estar tudo bem estruturado. Por enquanto, vou continuando a trabalhar na mesa da sala e, apesar de não possuir grandes truques para o fazer, tenho dias específicos para temas diferentes e isso torna-se uma mais valia para conseguir produzir.

4. Escreve-se bem com rotina e horários ou o melhor é mesmo esperar pela inspiração e aí sim, agarrar o trabalho?
Não existem receitas milagrosas e cada um se dá melhor com aspectos diferentes. Eu tento seguir rotinas e horários para me conseguir orientar melhor, mas a verdade é que a inspiração não tem hora marcada, por isso tento deixá-la sempre disponível para tomar conta das importâncias e isso pode acontecer muitas vezes quando me estou a preparar para dormir.

5. Na hora de escrever e em momentos de inspiração, computador ou cadernos e canetas?
O computador é mais fácil de utilizar, pois posso escrever e apagar, deixar as ideias escritas para voltar a vê-las e organizá-las convenientemente. Ainda assim, prefiro começar as ideias num caderno e depois passá-las para computador, por isso ando sempre com cadernos diferentes.




6. Quando escreves o quê que tem de estar sempre por perto?
Quando escrevo, tenho de ter sempre por perto os meus cadernos vários e canetas de diferentes cores. Reconheço que não preciso de muito, basta-me a confusão de ideias que vai na minha cabeça!

7. Gostavas de poder ter na tua vida algumas das personagens que crias nos teus contos ou achas que só te viriam desarrumar a casa e a vida?
(Sorriso)
Acho que as minhas personagens são desarrumadas demais, mas certamente viriam espicaçar e engrandecer a minha vida. No fundo, elas são uma junção das pessoas que já conheço ou que já conheci no passado, ainda que um pouco exageradas ou com percursos diferentes. Apesar de tudo isto, têm sempre algo para me mostrar e são uma parte intrínseca também de mim, carregadas de motivação e de força para mudar positivamente. Por isso e também por gostar de desafios, seria muito bom tê-las na minha vida.

8. A Badu é a tua fiel companheira e amiga. Se fosse um dos personagens dos teus contos, qual seria a sua maior qualidade e defeito?
Há uma coisa qualquer na dedicação dos animais que nos faz amolecer o coração. Neste caso, as maiores qualidades da Badu são ser meiga, carinhosa e doce, e só tenho pena que seja tão tímida e não se dê a quem não conhece.

9. O teu blog é outra casa tua, se lá entrarmos o que vamos poder encontrar de ti naquele espaço?
Nunca fui muito boa a representar-me ou a tentar mostrar aquilo que sou ou que faço. Assim, fiz o meu blog com esse objectivo, de revelar partes de mim que as pessoas normalmente não conhecem, como o meu trabalho na psicologia e nas terapias expressivas, a minha música enquanto cantora e apreciadora de estilos muito específicos, ou os meus amigos, que são a minha maior fonte de inspiração. Acho que por lá vão encontrar grande parte de mim, tudo aquilo que me faz sentido.


10. O que mudou a tua vida desde que construíste esta tua segunda casa?

Tudo! Comecei a dar mais valor àquilo que fazia, a organizar as ideias e a mostrá-las, a escrever mais e melhor, a conhecer muitas pessoas diferentes (e que de outra forma não conheceria) e, principalmente, a ver a vida doutro prisma, sempre com muita esperança.

11. Quando as casas são confortáveis podemos sentar-nos no sofá e sonhar. Se te sentasses agora no teu qual seria o teu maior sonho?
Sem querer ser muito lamechas, neste momento o meu maior sonho é conseguir publicar o meu primeiro livro.

A Raquel abriu-nos as portas de sua casa de sorriso na cara, como só ela sabe fazer, e ainda nos fez um belo almoço (tem quase tanta mão para a cozinha como para a escrita 🙂 ). Se quiserem ajudar a Raquel a concretizar o seu sonho de lançar o livro, saibam tudo aqui e ajudem aqui. Se quiserem conhecê-la e ouvir um dos seus belos contos, no próximo sábado, no Breyner85, Porto, vai acontecer uma leitura e uma explicação do projecto. Apareçam e digam-nos olá, que também vamos andar por lá!
Saibam tudo no evento do facebook.

Vejam o blog dela e acompanhem-na no Instagram.


9 respostas

  1. Olhaaaaa 🙂 tão feliz que eu fiquei por ser a casa da Raquel a escolhida, gosto tanto da Raquel, uma rapariga tão querida e cheia de talento. Adorei a entrevista, a casa dela (TENHO UMA CAPA DE EDREDON IGUAAAAAL!) e adoro o blog dela, muito, muito bom, aliás vindo de uma pessoa como ela não se podia esperar outra coisa 🙂 *

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.