Há quem escreva diários, os meus diários sempre foram visuais e desde que me lembro que sempre tive um caderno comigo. Quando era miúdo gostava de criar os meus livros de pintar, por isso desenhava cadernos inteiros para depois os poder pintar. Mais tarde, passaram a ser uma amálgama de colagens, onde guardava flyers de sítios que fui, o papel de rebuçados que alguém me deu, flores secas de um qualquer pic-nic e escrevia passagens de textos que gostava. Já na faculdade, os cadernos voltaram a ser preenchidos por desenhos e apontamentos, num caos que só eu consigo entender mas que registam o meu dia-a-dia. 

Os cadernos que vêem neste post são só do último ano, os mais recentes. São páginas e páginas de apontamentos, de reuniões, de início de blogs, de esquissos de identidades, páginas que viram músicas nascer, que trouxe de viagens, que me acompanharam em viagens, que guardam segredos, ideias e projectos que nunca chegaram a acontecer. É o lado mais confuso da minha cabeça em desenhos e folhas, guardadas em prateleiras.

 

Confesso que, de quando em vez, pego em meia dúzia para folhear e reavivar memórias que não quero que se percam. Se vocês forem como eu, perdidos de amores por cadernos e material de estacionário, acho que vão  gostar do Paper Gang. É um projecto que vai arrancar em Março, da Oh Deer, onde vos enviam um cabaz todos os meses com material de estacionário… Eu confesso que estou em pulgas e quando o receber partilho convosco 😉

Esta febre dos cadernos é uma coisa que partilham comigo?

Beijinhos e abraços,
Fred

12 respostas

  1. Eu partilho essa febre de cadernos, sem dúvida! Tenho imensos, cheios de coisas. Como se isso não fosse suficiente, ainda faço cadernos com folhas de rascunho (partes de trás de folhas usadas, basicamente)! Adoro tudo o que é papel e material de escritório: lápis, canetas, clips, borrachas…

    Os teus cadernos são bem bonitos! E adorei os desenhos.

  2. Partilhamos esta febre, sim! Eu uso vários cadernos ao mesmo tempo! Como não sei desenhar como tu, não tenho diários gráficos, mas tenho muitos cadernos onde coloco flores secas, papéis, pacotes de chá que alguém me deu, frases e assim. E depois tenho outros para tirar notas de coisas do dia a dia. É uma confusão, mas eu entendo-me nela!

    Lena's Petals xx

  3. Completamente viciada em cadernos de todos feitios e formatos!! Qualquer dia já nem tenho espaço para guardar os usados. Tenho sempre (no mínimo) dois a uso – um como diário gráfico e outro para apontamentos e rabiscos.
    Felizmente quando comecei a fazer os meus próprios cadernos abrandei no coleccionismo dos mesmos, mas mesmo assim de vez em quando abro uma excepção para um ou outro.
    Já tinha visto o Paper Gang e adorei a ideia, fiquei cheia de curiosidade para ver. (estive quase para encomendar, mas eles só aceitam cartão crédito : )

  4. Gosto muito!
    Até há bem pouco tempo fazia da minha agenda um verdadeiro caderno de notas. Hoje se for folhear as agendas dos primeiros anos de faculdade andam por lá receitas da mamã, sitios giros para ir, nomes de pessoas com trabalhos bonitos, frases entre amigos. Agora que tenho a agenda e o caderno, a coisa está mais controlada e organizada 🙂

    Acho que vou muito adorar o Paper Gang. Obrigado obrigado!

    1. Querida Cristel 😀 Bem sei o que é confundir a agenda com um bloco de notas :p
      Eu passei a agenda para digital (que se não despertar, esqueço-me na mesma) e os cadernos para a rabiscada toda… Estou muito entusiasmado com o Paper Gang, espero que não desiluda! 🙂

Responder a Helena Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.