Na semana passada, a nossa Raquel Caldevilla comemorou mais um ano de vida. Nós, amigos e fãs da Raquel, festejámos também mais um ano em que aquele sorriso bonito esteve nas nossas vidas, e alegrou muitos dos nossos dias. Estes dias vêm sempre com questões sobre presentes, porque queremos mimar os amigos e não deixar passar estas datas em branco. Os melhores presentes, na minha opinião, são aqueles que nos tomam tempo, aqueles que de facto representam a energia que dedicámos a pensar naquela pessoa, seja a pensar no que ela gostaria de ter e a consegui-lo, como a fazê-lo com as nossas próprias mãos.

Cá em casa o presente foi feito à mão, com ajuda de alfinetes, linhas e agulhas, e com a ajuda de todos. A Alice foi quem mais gostou do presente, mas esperamos que lá em casa da nossa Raquel, a mesa de refeições fique contente com a nova toalha que lá vai pousar.

Este tecido foi usado num dos nossos últimos trabalhos. A equipa esteve a forrar cadeiras (havemos de mostrar tudo em breve) e a Raquel comentou que gostava muito deste tecido. Na hora de pensar no presente isto voltou-me à cabeça, e por isso fui comprar mais uns metros e decidi pôr mãos à obra.

A primeira parte do trabalho consiste em alinhar o tecido e cortar as margens direitinhas. Para isto usei uma régua e lápis pastel, vocês podem usar giz (existem próprios para costura) ou qualquer lápis que marque no tecido, o que importa é ficarmos com guias.
Como na hora da compra dois dos lados do tecido nunca são cortados à mão, já vêm certinhos no rolo de tecido, é fácil dobrarem por esses lados certos e corrigirem apenas este que vem todo torto.
Depois, alinhavam-se as bainhas, fazendo duas dobras e fixando o tecido. Eu optei por ser mais prática e fiz este trabalho com a ajuda de alfinetes. Vocês podem fazer assim ou com linha e agulha fazendo pontos largos.

Depois vem o trabalho final, de costura das bainhas. Eu herdei uma Singer que até é areia de mais para o meu camião. Às vezes a máquina anda demasiado depressa e a minha dificuldade é orientar-me e manter a linha direitinha. Mas a boa notícia é que para quem quer fazer só umas coisas, uma máquina barata de 30 ou 40 euros faz o serviço. Eu já tive uma e até papel conseguia coser. O mecanismo também é muito simples, e depois de colocarem linhas no sítio só precisam de carregar no pedal. 
E depois de algum tempo já tínhamos toalha de mesa!
Eu adoro o tecido, e gostei mais ainda de poder fazer uma coisa para a Raquel. Espero que dure muito tempo e que se lembre sempre de mim quando servir um jantar lá em casa. 
Este foi apenas um exemplo de uma coisa simples que podem fazer para vocês, ou de como podem pensar em coisas para oferecerem a alguém querido. 
À nossa Raquel queremos dizer que gostamos muito, muito dela, e que queremos continuar a fazer parte da vida dela nos nossos encontros de trabalho, nos jantares ou nos passeios que vamos fazendo ao longo do ano. Estamos muito orgulhosos do trabalho que faz, das coisas bonitas que alcançou e da família bonita que tem. É uma sorte tê-la connosco 🙂

6 respostas

  1. ai <3 uma pessoa nem sabe o que dizer! não podia pedir melhores amigos e ainda por cima trabalho com eles, é tão bom! obrigada, vocês inspiram-me todos os dias e acho que tivemos muita sorte em nos encontrarmos todos 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.