Este mês de Outubro veio trazer-me mais um ano de vida, e completei assim os meus 32 Outonos. Quem segue o blog já foi vendo por aqui umas imagens dos aniversários passados, com bolos bonitos e pessoas que o são ainda mais. Este ano, não sei se pela falta de magia do número, não senti vontade nenhuma de fazer festa, e como este blog não pode falar e mostrar só aquilo que é mesmo fixe, decidi contar-vos só que fiz 32 anos, que não fiz festa de aniversário, que não fiquei feliz com o dia (foi mesmo só mais um) e que não pode haver drama nenhum com isso :p

No ano passado o verão foi dos mais atribulados de sempre, houve uma mudança de casa imposta e repentina e tinha acabado de me mudar quando fiz os 31. Numa situação normal não haveria tempo, condições ou disposição para festa, mas como o pesadelo acabou tão bem, com uma casa simpática e o início de muitas coisas boas, tive energia para fazer uma festa bonita e receber toda a gente cá em casa. Este ano não havia energia, nem vontade, porque estes 32 souberam-me a nada… por favor digam-me que não vai ser assim até aos 40.

Os meus amigos queridos, e que adoram uma boa festa, não reclamaram, entenderam e encheram-me de mimos na mesma. O ramo que vêem ali em cima foi só o ramo de flores mais bonito que recebi em 32 anos. Já está um bocadinho amassado porque veio para casa mesmo ao ombro, e já estou com pena de saber que vai desaparecer daqui a uns dias.
Não quero parecer ingrata porque de facto tenho muitas coisas boas na vida, temos todos coisas boas e coisas menos boas. Foi um ano diferente, uma sensação diferente, e às vezes mais vale não pensar muito nestas coisas e não as problematizar.

Sendo assim, se já passaram por isto ou se estão a passar, e se acham que deste lado as coisas são sempre melhores e o sol brilha todos os dias, saibam que não é verdade :p
Para os que se preocupam comigo, não passei o dia sozinha, a minha mãe fez o seu papel e obrigou-me a acabar o almoço com bolo, e estive com muitas pessoas de quem gosto muito e que são a minha família. Fiz questão de dizer a todos que não queria presentes, mas houve quem não me respeitasse, como o meu sócio, e em breve haverá um post de inspiração à conta do que ele me ofereceu. Ah… e o meu afilhado, com 3 anos mas já cheio de jeito para as artes, encheu-me a casa de pinturas lindas, onde posso passar horas à procura de olhos e narizes.

Para este novo ano, espero fazer muitas das coisas que andam aqui empatadas por falta de tempo ou energia, espero ter manhãs boas e calmas com os gatos cá de casa, espero passar mais tempo com aqueles que são importantes para mim, dedicar-lhes mais atenção e dar-lhes o melhor de mim. Nem sempre acontece e a cada ano que passa sei que é mesmo o mais importante.

Espero que tenham todos uma boa semana e obrigada por continuarem a vir aqui ler-nos, nos posts mais felizes e nos mais sossegadinhos  🙂

Raquel

15 respostas

  1. Às vezes é assim mesmo… (digo eu do alto dos meus 39: para a semana são 40!).
    Mas Parabéns por mais um ano de vida!
    Os 33 são muito mais simbólicos: a idade adulta em pleno e a idade de Cristo!
    Um excelente percurso até à capicua 🙂
    Lindo, o ramo!

  2. Parabéns Raquel!
    Há anos assim, e para quê forçar quando não nos apetece nada festejar?
    Nos últimos anos apetece-me mais passar um dia tranquilo com as minhas filhas do que meter-me em festas que de dão muito trabalho… Mas também trazem muito convívio e felicidade…
    Este ano não me quero escapar porque vou fazer 40, no fim desta semana e em vez de ficar com a neura, o melhor é festejar…
    Beijinhos e obrigada pela partilha.
    sara

  3. 🙂 Parabéns atrasados!!! há anos assim, sofro do mesmo mal.
    gostei muito do ramo! (podes sempre secar as flores e pôr numa jarra ou emoldurar ♥)

  4. Parabéns Raquel! Que continues sempre a passar o dia como mais queres, porque as festas não se devem fazer por obrigação! Mas que nunca afastes os amigos de ti! Esses nunca podem faltar! Beijinhos aos sócios e amigos! E viva a amizade!

  5. Muitos Parabéns Raquel. Se só te sentiste assim este ano, és uma pessoa de sorte. Cada vez que faço anos, sinto-me mais e mais deprimida. Não é que tenha uma vida má, mas faz-nos pensar em muita coisa: os objectivos que não foram cumpridos e estão longe de se concretizar, da falta de algumas pessoas que já partiram ou partiram da nossa vida, outras que estão e não se sabe bem porquê e o tempo a passar muito rápido. No dia a seguir, estamos gratas por tudo o que temos e por aquelas pessoas ( poucas ) especiais que nos fazem felizes e completas e siga para a frente. Beijinho

Responder a Sandra Marques de Paiva Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.