Sempre me considerei o tipo de pessoa que vê o copo cheio. Sou pragmático e esse pragmatismo sempre me permitiu simplificar as coisas más da vida e traçar o caminho mais simples para as deixar para trás. No entanto, desde o ano passado que sinto que essa energia, que me permite ser estupidamente positivo, quase não está lá. Eu costumo dizer que a felicidade é uma opção e que se decidirmos que queremos ser felizes, isso acontece. Quando a vida me dá coisas menos boas a pergunta é sempre a mesma: há solução? Se existir, é trabalhar em torno dessa solução. Se não existir então não vale a pena chorar porque não há nada a fazer.

Continuo a acreditar e a reger-me por este lema mas ultimamente tem sido difícil traçar o caminho que faz com que as coisas más deixem de ter tanto valor. Eu sou muito grato pelo que tenho e por quem me rodeia, sinto-me mesmo um felizardo. Se assim é, porque é que me é difícil manter-me positivo e alegre? Porque o que sinto e o que penso não estão a bater certo. Por isso, decidi procurar ajuda.


Quebrar o estigma e levar a sério a saúde mental e sentimental é um processo. Se me doer a garganta procuro um médico otorrino e quem trata do pensamento e dos sentimentos? Um psicólogo é a solução. Quebrar a barreira de “um psicólogo é para malucos” não é fácil para todos mas é um processo que tem de acontecer e é a razão pela qual eu estou a escrever este post para vocês. Nós não somos menos por procurarmos ajuda ou piores do que os outros por cuidarmos de nós e da nossa mente, muito pelo contrário.

O meu processo de recuperação é recente e ainda estou a trabalhar nele. O que me está a custar mais é fazer as pazes com o que sinto, mesmo que o sentimento não seja bom. Estou a aprender e a perceber que o equilíbrio entre as coisas boas e as coisas más é essencial e só faz de mim melhor pessoa. Ser feliz é uma opção e encontra-se disponível neste equilíbrio. Este processo de descoberta está a ser tão importante para mim, que senti que queria partilhá-lo convosco, sem estigmas, na esperança de conseguir ajudar algum de vocês a encontrar o vosso caminho.

Tenham um bom dia, pessoas bonitas.

Todas as imagens pertecem ao The Sad Ghost Club

17 respostas

  1. Tu és uma pessoa bonita… tão bonita Fred… o reconhecimento que se precisa de ajuda é meio caminho andado para encontrarmos o equilíbrio… sei bem do que falo e entendo-te tão bem… vais encontrar esse equilíbrio, vais ver… não mereces tu outra coisa! Beijo grande e sê muito, muito feliz <3

  2. Querido Fred, não nos conhecemos, eu acompanho o we blog you e adoro o vosso trabalho.
    Sempre me transmitiram alegria, espontaneidade, liberdade e amor pela vida e pelo trabalho que fazem.

    Também estou a passar um momento mais difícil na minha vida, com avanços, recuos… por vezes acho que estou sozinha, que só acontece comigo e que tenho coisas tão boas na vida que me culpo muitas vezes de não estar feliz. Também vou entrar no mesmo processo. Também vou pedir ajuda.

    Obrigada por nos deixar perceber, que somos todos humanos!
    Cláudia.

    1. Olá Claúdia! este processo não é fácil mas é tão, tão positivo. Muitas felicidades para ti e que esta jornada te traga muito amor e sorrisos.

      um beijinho

  3. Estamos no mesmo barco, com a exceção de que ainda não tive coragem de pedir ajuda, mas sinceramente acho que este post ajudou. Há um momento em que temos de dizer “já chega” e fazer alguma coisa. Obrigada 🙂

    1. Fico muito feliz que este post consiga ajudar alguém. Pedir ajuda não é fácil porque vivemos numa sociedade que nos diz que só precisa de ajuda quem é inferior ou falha. Não é verdade, pedir ajuda faz-nos crescer e ser melhores 🙂

      um beijinho grande *

  4. olá 🙂
    já estou nesse caminho há uns tempos e foi a melhor decisão que tomei por mim. e às vezes é muito difícil, porque antes de nos sentirmos melhor, às vezes sentimo-nos pior. porque temos de ir ao mais profundo de nós, porque temos de nos olhar de frente, porque temos de ser pacientes connosco, tão pacientes. ser paciente e doce comigo é o meu maior desafio, durante este processo. não sei se contigo se passa o mesmo 🙂 de qualquer maneira, comentei para que soubesses que não estás sozinho, que és corajoso (porque pedir ajuda requer muita coragem!) e que acho que estás a fazer algo de maravilhoso por ti 🙂 lutarmos por nós vale sempre, sempre a pena, seja de que forma for.
    um grande beijinho!
    joana (paes)

    1. Querida Joana, estamos exactamente no mesmo caminho, é exactamente tudo o que escreveste <3 obrigado por me fazeres sentir que não estou sozinho.

      um abraço apertado

  5. Fred, espero sinceramente que encontres esse equilibrio e a tal felicidade… Eu gosto de te ver feliz! Faz o teu progresso e continua a fazer coisas bonitas porque algumas delas são motivos de felicidade no meu dia. Beijocas

  6. Já passei por isso, também procurei ajuda e ficou tudo bem. Contudo, sei perfeitamente que a vida é assim, estamos bem, estamos mal, e acho sempre que a força maior está em ir à luta e sobretudo aprender a ouvir-nos, a respeitar-nos e a conhecer-nos. Força nisso, vai ficar tudo bem! 🙂

  7. Fred, não tenho por hábito fazer comentários, mas sigo o vosso blog já à algum tempo. Admiro imenso o teu, vosso trabalho. Apesar de termos percursos de vida diferentes, temos algumas coisas em comum (escolhemos a cidade do Porto para vivermos, gostamos de gatos, tivemos um Pug e queremos ser felizes)! Quero partilhar contigo, que também me encontro num processo de grande transformação (devido a percas muito dolorosas, (pai e mãe) e outras não tão dolorosas mas que também mexeram demasiado comigo e me fizeram questionar se valia a pena continuar a viver neste mundo tão cheio de injustiças, desigualdades etc etc…Fred para não me alongar muito, quero-te só dizer que o que não nos mata fortalece e que embora saiba que este processo vai ser lento e moroso, sinto que me vai tornar um Ser mais completo e melhor e contigo vai acontecer o mesmo! Tu já és uma pessoa maravilhosa! Beijinhos com muito carinho 🙂 🙂

    1. Obrigado Elsa. O teu comentário deixou-me de lágrimas nos olhos porque às vezes precisamos que outra pessoa nos veja para nos voltarmos a ver. Obrigado por teres quebrado o hábito e teres comentado, fizeste-me o dia.

      um beijinho grande

Responder a Elsa Paula Mateus Soares Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.