Rescaldos, balanços, equilíbrio e contemplação são as palavras mais presentes na minha cabeça durante estas semanas. Eu tenho uma tradição onde escrevo 12 coisas que têm de acontecer este ano (não são desejos, são objectivos concretos e reais), guardo o papel na carteira e não volto a olhar para ele até ter de fazer um novo. Geralmente, isso acontece mesmo no final do ano, tiro o papel da carteira, risco tudo o que consegui fazer e passo para a lista do ano seguinte o que ficou por fazer. Eu acredito que se tomarmos a decisão de que vai acontecer, tudo na nossa vida se alinha para que aconteça. Os últimos três anos foram os anos em que menos cumpri objectivos, foram anos difíceis. Eu sou mesmo muito grato pelas coisas boas da minha vida mas foram anos em que tive de enfrentar perda, perceber que não tenho controlo sobre nada e que a vida é bem mais complexa do que a minha cabecinha de 25 anos achava que era. Estes últimos 3 anos mudaram tudo, a minha visão do mundo, a visão que tinha de mim e até os meus valores. Eu vejo estas mudanças como positivas mas foram dolorosas, como qualquer dor de crescimento.

Estou a acreditar que 2018 vai ser um ano mais carinhoso e meigo, sinto uma ligeira mudança no ambiente à minha volta (ou talvez seja só eu a acreditar que muita coisa vai ser diferente). O ano novo começou há 10 dias e eu ainda não consegui escrever a minha lista de 12 coisas que vão ter de acontecer este ano. Estes dias foram muito preenchidos, com amigos, com sorrisos, com alguma reflexão mas sem tempo sozinho para fazer um balanço calmo de 2017, abrir a lista e fazer uma nova. Em qualquer outro ano estaria em pânico porque não estava a cumprir a regra, porque me estava a desviar daquilo a que me propus. No entanto estes últimos anos ensinaram-me a fazer as pazes com o meu próprio controlo, ensinaram-me que o lado bonito da vida encontra-se nos dias em que não cumprimos horários, nos dias em que as almofadas estão fora do sítio, nos dias em que sou impulsivo e não penso em consequências. A vida acontece quando deixamos de pensar e aceitamos todas as coisas, as boas e as más, de sorriso na cara.

Por cá, pelo WBY, não vos vamos comprometer a 3 posts semanais, ou dizer que vamos publicar todos os dias numa qualquer rede social, nem vamos fazer promessas que não sabemos se conseguimos cumprir. Podemos garantir-vos que não vamos embora, que estamos a trabalhar muito para vos mostrar coisas bonitas e que os sonhos são alguns. Acreditamos que 2018 vai ser um ano bom e, como sempre, temos muita vontade de o partilhar convosco.

Obrigado por estarem aí e obrigado por nos lerem. Gostamos muito de todos vocês, mesmo sem conhecer todas as vossas caras.

Um bom 2018 para vocês.

10 respostas

  1. “Eu vejo estas mudanças como positivas mas foram dolorosas, como qualquer dor de crescimento.”
    Eu quase chorei lendo isso, porque foi exatamente assim que eu me senti sobre 2017, e não teria conseguido colocar em palavras melhores. Também estou com essa sensação gostosa de que 2018 vai ser um ano mais tranquilo – espero que estejamos certos!

Responder a Elsa Martins Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.